PGR diz que compensação financeira por proprietários rurais prevista em lei estadual é inconstitucional

 De Brasília – Catarine Piccioni

Foto: Reprodução

PGR diz que compensação financeira por proprietários rurais prevista em lei estadual é inconstitucional

A Procuradoria Geral da República (PGR) apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) ação direta de inconstitucionalidade (ADI) contra parte da lei complementar 343/ 2008, que dispõe sobre a criação do programa mato-grossense de regularização ambiental rural (MT Legal) e sobre as etapas do processo de licenciamento ambiental de imóveis rurais.

O artigo da lei questionado pela PGR prevê que “o proprietário ou possuidor de imóvel rural com área de reserva legal — cujo percentual seja inferior ao mínimo legal — deve desonerar-se das obrigações, adotando a seguinte medida: mediante o depósito, em conta específica do fundo estadual do meio ambiente, do valor correspondente à área de reserva legal degradada, podendo ser parcelado na forma do regulamento, destinando os recursos exclusivamente à regularização fundiária de unidades de conservação”.

Na ADI, a PGR sustenta que as medidas de compensação de reservas legais previstas na legislação federal são inconstitucionais e já questionadas junto ao STF. Mas entende que a legislação estadual foi além das modalidades previstas no âmbito federal, introduzindo a possibilidade de “desoneração de proprietários ou de possuidores de imóveis do dever de recuperar suas reservas legais, mediante depósito”.

CNMP arquiva procedimento formulado por promotora contra corregedoria do MPE
PGR diz que reativação da Lemat é inconstitucional

A procuradoria alega que o texto da lei mato-grossense é inconstitucional porque contraria legislação editada pela União sobre o tema. Argumenta ainda que aqueles que degradam ilegalmente áreas de reserva legal não são obrigados a reparar os danos causados, mas podem se livrar do “dever de reparação” por meio de compensação financeira.

Também segundo a ADI, ainda que os recursos sejam destinados à regularização fundiária de unidades de conservação, a compensação financeira não gera benefício ambiental e reduz as áreas legalmente protegidas.

Conforme a ação, os objetivos das unidades de conservação e das reservas legais são complementares, “mas não se excluem e nem se confundem”. E, permitindo a desoneração, “o poder público age em desacordo com a determinação constitucional de restaurar processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas”.

“A possibilidade conferida ao proprietário rural, de deixar de conservar a reserva florestal legal, representa uma mitigação inconstitucional da função social da propriedade”, consta da ADI, que começou a tramitar nesta terça-feira (16) no Supremo.

A procuradora-geral da República em exercício, Sandra Cureau, pediu concessão de medida cautelar para suspensão da parte questionada na lei estadual. No mérito, ela quer que seja declarada a inconstitucionalidade da norma. O processo está sob a relatoria do ministro Celso de Mello, mas, por conta do recesso do Judiciário, o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, se manifestou em despacho assinado ontem, afirmando não ver “situação de urgência” que justificasse a atuação dele no caso.

Fonte: Olhar Jurídico

Anúncios

Publicado em 29/07/2013, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: